Pensamentos em Palavras

Só mais um blog na internet…

O espaço e o tempo na Estética Transcendental – Kant

Posted by Daniel Baseggio em 19/06/2009

CRÍTICA DA RAZÃO PURA

CRÍTICA DA RAZÃO PURA

– Um dia anterior a prova, para rememorizar o conhecimento outrora apreendido….. vamos lá!

CRÍTICA DA RAZÃO PURA – ESTÉTICA TRANSCENDENTAL :                  ESPAÇO E TEMPO

A sensibilidade faz a passagem do conhecimento do objeto ao sujeito, este conhecimeto se relaciona com o objeto pela intuição, mas é o entendimento que confere os conceitos destes objetos. Explicados na parte anterior sobre as duas distinções do que é o objeto; podem ser uma coisa em si, e um fênomeno. A coisa em si não pode ser conhecida, mas, o fenômeno pode, ele é uma constituição subjetiva do sensorial, por ser subjetiva necessita do entendimento para conferir seus conceitos a partir da intuição, fazendo uma análise do sentido e do conceito irá se formar o objeto do conhecimento

Das intuições puras provém a intuição empírica, ou, experiência. O objeto da intuição empírica é indeterminadamente o fenômeno, a matéria e a  figura são o que permite sentir e intuir este fenômeno, é a posteriori por serem intuidos por causa da experiência, por serem de matéria empírica.

Mas, a sensação pura não diz respeito à sensação, é a priori e se apresenta para formar o fenômeno intuitivamente, também é chamada de intuição pura; trata dos conceitos do fenômenos.

A estética transcendental trata apenas da abstração dos conceitos da sensibilidade, tratará das intuições empíricas e da formação dos fenômenos. Tratará do conceito de espaço e  do tempo.

O espaço é determinado como sendo exterior, pois é apreendido pelos sentidos exteriores que apreendem os objetos que estão fora do sujeito que percebe, assim sendo, não é empírico por estarem apreendidos por peio da representação de algo que é exterior ao sujeito.

É  a priori, fundamenta das intuições externas. Ele é condição de possibilidade do sujeito apreender e intuir os fenômenos, representa os fenômenos externos, fundamentando uma intuição pura, pois, se encontra totalmente a priori. É uma intuição pura, é assim por dar-se na mente como condição de todos os fenômenos, é único por todos os fenômenos se darem simultaneamente nesse espaço. Por isso, o espaço é representado como uma grandeza infinita dada, é pensado como característica em comum de todos os objetos.

Na exposição transcendental do espaço, chega na afirmação de  que ele  dá condição para outros conhecimentos sintéticos a priori, como por exemplo a geometria, pois, trata de objetos que estão inseridos no espaço, e é uma ciência sintética a priori.

Portanto, o espaço não é uma coisa em si, é possível de apreendê-lo, é a priori, permite a intuição externa dos objetos do sentido externo. A intuição do espaço permite afirmar que onde todas as coisas, enquanto fenômenos externos estão justapostos no espaço, o espaço, assim, é condição objetiva dos fenômenos.

O tempo também não é um conceito empírico, é condição de possibilidade da simultaneidade que se dá somente no espaço, pois, este se encontra em um único e mesmo tempo; e a sucessividade, que somente acompanha o conceito de tempo. O tempo é condição de existência dos fenômenos, nele é possível toda a realidade do fenômeno, por isso também é a priori.

O tempo tem apenas uma dimensão, quando se verifica tempos diferentes podemos relacionar com a sucessividade, pois, quando observo um objeto confiro que ele existe simultaneadade no momento da percepção dele, mas na medida em que ele se apresenta em determinados momentos, também verifico que nele há a noção de tempos sucessíveis, então, nem mesmo a sucessão nem a simultaneidade podém estar separados do tempo, e nem separados da experiência possibilitando uma instrução dos dados do objeto antes da experiência.

Desse modo, o tempo também não é um conceito discursivo, é uma forma de intuição sensível, onde é possível afirmar que tempos mesmo sendo diferentes fazem parte do mesmo tempo, forma-se um tempo único. Por não derivar de nenhum conceito universal, o tempo é uma intuição. Além disso, assim como o espaço, o tempo é infinito, em sua representação é ilimitada, ou seja, quando se trabalha com o tempo, usa-se limitações de partes dele, mas ele é  infinito.

A sucessividade do tempo possibilita o conceito de mudança, onde a própria intuição a priori do tempo nos condiciona à pensá-la. A sucessividade nos ensina que o mesmo objeto ocupando o mesmo lugar pode aparecer em tempos diferentes em diferentes movimentos num objeto só. Essa representação é possível pela intuição que possibilita o tempo ser um conhecimento sintético a priori.

O tempo não é uma coisa em si, as representações exteriores estão vinculadas ao espaço, mas estas representações exteriores estão vinculadas com as representações interiores, o tempo se forma no sentido interno relacionando as representações para o sujeito. O tempo age em correspondência com o espaço.

Enquanto o espaço é condição objetiva de todos os fenômenos, o tempo é condição formal dos fenômenos, porque mesmo um objeto que se apresenta na condição de exterior ao sujeito estão, de certo modo, no interior dele também, por isso, o tempo é condição formal dos feômenos internos e externos.  O espaço determina a priori todos os fenômenos externos, e o tempo determina a priori todos os fenômenos internos e externos.

O tempo é válido enquanto não se abstraia a sensibilidade da intuição , ou seja, não é nada sem o sujeito que percebe, perante os objetos tem uma realidade subjetiva para o sujeito, mas objetiva para os fenômenos, porque pode-se afirmar que todas as coisas, enquanto fenômenos estão no tempo. Todos os objetos da experiência estão sujeitos ao tempo.

Portanto, o tempo nada é se abstrair o sujeito, pois, necessita da experiência para se realizar interna e externamente. Possuindo uma chamada idealidade do tempo que se refere fato do tempo não corresponder com as coisas em si. Tendo realidade objetiva para os fenômenos.

Bibliografia: Kant, I, Crítica da Razão Pura, editora Clauste-Gulbenkian, Lisboa, 2001

– Concluindo esta dissertação sobre o conteúdo da prova, afirmo:

Kant é foda!

9 Respostas to “O espaço e o tempo na Estética Transcendental – Kant”

  1. Letícia Santos said

    O tempo na sociedade moderna parece curto demais para tantas tarefas, ansiedades e materialismo…

  2. Rafael Cesar Cunha said

    A Estética Transcedental em Kant mostra-nos a importância que devemos dar a sensibilidade, que muito mais que a beleza em si, podemos conhecer a essência do conhecimento sem os parâmetros que nos são passados e muitas vezes captamos de maneira ingênua, que nada mais é que a capacidade de vermos as coisas como elas não são, mas como nós queremos que a mesma seja. A Estética Transcedental nos mostra que o mundo pode ser revelado até pelo silêncio do nosso intímo.

  3. Jéssyca said

    Dicertação muito bem eladorada.

  4. diogo said

    muito bom o teu texto,vai tirar 10 na prova,
    parabéns.

  5. Vagner said

    Viajo nessas reflexões sobre tempo,sujeito,objeto…..

  6. EMERSON TIAGO JATI said

    fico impressionado com a sutileza e a grandeza com que exprime sua ideia em Kant! Parabens

  7. Alessandro said

    David Hume despertou Kant de um sono dogmático, como o próprio o disse. Os Escritos de Immanuel Kant são surpreendentes, mas mais surpreendentes são os de David Hume. Para termos uma boa noção de vida, é sempre bom conhecermos os dois.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: