Pensamentos em Palavras

Só mais um blog na internet…

O MISANTROPO – Molière (poesia de amor para o amor)

Posted by Daniel Baseggio em 08/07/2009

Molière

Molière

– folhando alguns livros em casa, me deparei com um antigo livro, o De natura rerum; em específico a passagem de O Misantropo  ocorre nas linhas 717-730, Ato II, seção IV; onde uma jovem, Eliante está censurando Alceste – o misantropo – por defender a honestidade absoluta.

A pálida ao jasmim na alvura é comparável;
A escura de assutar é morena adorável.
Tem flexibilidade e linha esbelta e magra;
Majestade em seu porte a gorda mais consagra;
A que a si não se cuida e no ar se desmazela,
Ao título faz jus de beldaed singela [beauté négligée];
Como uma deusa surge à vista que é gigante,
E a anã, da perfeição é abreviado galante;
O gênio da orgulhosa é digno de coroa;
A falsa é espirituosa; a burra é anjo de boa;
A que fala demais tem gênio encantador,
E a que não abre a boca é o expoente de pudor.
E o amante que do ardor percorre toda a gama,
Da criatura amada até os defeitos ama.

Molière

Uma resposta to “O MISANTROPO – Molière (poesia de amor para o amor)”

  1. Twenty five percent space of the town is under the green cowl that makes this city
    additional viable and recent particularly within the monsoon season.
    The mini spy pen camera is available in 4GB,
    8GB and 16 GB for regular use as per requirement of the
    customer. There are a lot of options in mobile phones available on the
    market today.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: