Pensamentos em Palavras

Só mais um blog na internet…

ESPINOSA – ÉTICA (livro II – Da Natureza e da Origem da Mente)

Posted by Daniel Baseggio em 14/09/2009

spinosa 1

Continuando nossa caminhada a respeito de Espinosa (creio que nos ajudará para a prova), segue-se a interpretação do Livro II da Ética:

 Depois de sabermos que todas as coisas devem necessariamente seguir-se de Deus, que é a causa de tudo, veremos que conhecemos apenas dois atributos seus, estes atributos representam nossas realidades.  Neste livro da Ética estará explícito o paralelismo de espinosa, este consiste na ordem paralela do corpo; todas as ideias derivam da substância enquanto ela exprime realidade pensante; todas as coisas derivam da substância, enquanto ela exprime realidade extensa. Então, o paralelismo espinosano diz repeito à substância ser realidade pensante e realidade extensa, ambas existentes em Deus e no homem.
 Ainda mais explícito se encontra nas Definições I e II da Parte II: o corpo exprime determinadamente a essência de Deus, quando considerada extensa; corresponder com a essência faz com que aquilo exista. No entanto, a ideia corresponde a um conceito da mente, afirmando que o conceito exprime uma ação da própria mente.
 A essência de Deus é necessariamente causadora de tudo, é existente porque não pode haver efeito algum sem uma causa. Somente com sua realidade a substância causa os modos. Tal atributo é causado pela substância na mesma realidade em que se encontra, por exemplo: o pensamento expressa a realidade pensante e não a realidade extensa.
 A essência do homem é o pensamento. Pelo Axioma IV, Espinosa afirma que o corpo pode ser afetado de muitas maneiras. Assim, o corpo será objeto da mente. A mente humana vai ser ligada ao corpo; tudo o que acontece com o corpo a mente terá uma ideia daquilo que está acontecendo. Como a mente reproduz a ideia das afecções corporais será consciência de seus movimentos e constrangimentos, ou seja, terá consciência das ações e reações, das relações do corpo com seus constrangimentos externos.
 Tudo o que acontece com o corpo a mente capta, portanto, a mente está dispostan a captar necessariamente tudo o que constrange o corpo. A mente percebe inúmeros corpos ao mesmo tempo, percebe sua relação intrísceca com o próprio corpo. Essas ideias que nos constrangem nos fazem entender a constituição do nosso corpo, então, as afecções são, de fato, benígnas.

A ordem e a conexão das ideias na mente é a mesma da ordem e conexão das causas do corpo. A mente é a ideia do corpo. Conexão das ideias do corpo, pois sendo ambas modos, ou efeitos imanentes dos atributos inifinitos que constituem a unidade da substância, as ideias e as causas possuem a mesma origem e seguem as mesmas leis, mas, de maneira qualitativamente diferenciada, porque referidas as esferas diferentes de realidade.
 (Nota de aula – 25/08/09)

 Conforme a afirmação do paralelismo espinosano, somos a unidade do complexo corporal e do complexo psíquico. A mente é consciência do corpo e consciência de si. É consciência do corpo na medida em que sabe que o corpo existe devido aos seus constrangimentos. Uma vez que ele foi afetado por um ou mais corpos externos, a mente recordará imediatamente daqueles corpos que o afetou. Desse modo, o corpo constitui o objeto atual da mente; assim, é da natureza da mente estar ligada ao corpo, porque ela é atividade de pensá-lo.
 Além disso, a ideia da mente está unida à ela da mesma maneira que a mente está ligada ao corpo; a ideia da mente deve, necessariamente, estar unida com seu objeto. A mente somente se conhece quando conhece o corpo pelas suas afecçõe, ou constrangimentos; enquanto o corpo por si só não absorve conhecimento algum dos corpos que o constrange, a mente percebe outros corpos como existentes pelas ideias das afecções que o corpo sofre.
 A mente começa e vive um conhecimento confuso a partir de tais ideias das afecções, Espinosa chama tal conhecimento de inadequado. Este conhecimento parte da consideração que a mente faz a respeito dos corpos exteriores pelas ideias do constrangimento de seu próprio corpo. Esse conhecimento é conhecido como imaginativo; imaginar pressupõem uma atividade da mente, a mente representa uma imagem do contato com outro corpo externo, formando-se as imagens na mente a partir do constrangimento que outros corpos causam no nosso e a mente representando esses corpos devido às afecções que somos sujeitos.
 Essas ideias envolvem tanto o modo como os corpos exteriores que nos afetam; essas imagens são instantâneas, momentâneas e disperças. Para haver um conhecimento seguro seria necessário uma duração, coisa que tais imagens não ofercem, pois são percepções fragmentadas.

Nascidas de encontros corporais, a imagem instituí um comapo de experiência vivida como relação imediata e abstrata com o mundo. Imediata porque é contato direto do nosso corpo com outros; abstrata porque é multilada e fragmentada.
 (Nota da aula – 28/08/09)

 A mente pensa primeiramente na relação de afetar e ser afetada; nessa relação ela não possuí uma ideia verdadeira sobre os corpos. É pura abstração, pois apenas nas imagens não se conhece a causa real e verdadeira, mas somente o que aparece.  Portanto, tal conhecimento é confuso porque é singular, pois diz respeito somente aquilo que afeta nosso corpo que depois a mente se esforça para representar e traduzir para conhecimento.
 Enquanto que o conhecimento se refere à substância, ou, quando tal é comum a todas as coisas, são adequadas. Quando a mente percebe que, necessariamente, algo se atribui a todos os outros, é verdadeiro e, portanto, é adequado. Aquilo que é comum tanto para meu corpo quanto para os outros quanto para Deus, é verdadeiro e adequado.
 Portanto, as ideias das noções comuns, e não somente aquelas ideias que representamos pelo constrangimento do nosso corpo, é adequado. Umas vez que nossa natureza resulta de dois modos infintos de dois atrubutos da substância – a extensão e o pensamento -, a mente, assim, é intimamente ligada ao corpo porque têm consciência de sua existência e consciência da existência do corpo, na medida em que o corpo é afetado pelos corpos exteriores; o conhecimento que a mente representa a partir das imagens, ou das afecções, é inadequado por ser fragmentado e singular. Necessariamente a ideia adequada sempre se referirá tanto para as noções comuns quanto para Deus. A Razão perceba além do conhecimento imaginativo, percebe as coisas como elas são, como necessárias.
 Este conhecimento é útil para aprendemos a direcionar nosso conhecimento voltado na direção de Deus, ou das noções comuns; nos ensina a nos direcionarmos perante aquelas coisas que não dependem de nosso poder, na medida em que devemos adequar a Razão a não considerar àquelas coisas singulares; é útil para a vida social, pois ensina que certos sentimentos que nos constrangem, como o ódio, podem ser evitados, pois são apenas afecções.

2 Respostas to “ESPINOSA – ÉTICA (livro II – Da Natureza e da Origem da Mente)”

  1. marina said

    Olá.

    Gostaria de saber a diferença entre a idéia adequada e a idéia verdadeira.

    Att,

    Marina Sestito.

    • Olá Marina, levando em conta o que Espinosa quer dizer com ideia adequada, em meu ponto de vista, a ideia adequada se dá quando o sujeito passa a ser ativo das afecções. Pelo uso da Razão, o sujeito passa saber o que o seu corpo deseja, torna-se ativo e tem apenas ideias adequadas daquilo que seu conatus deseja para aumentar-se.
      A partir daí, creio eu, o sujeito tem ideias verdadeiras, pois, quando ele é totalmente passivo às afecções não obtem veracidade em nada, apenas confusão devido ao constrangimento das afecções.
      Quando o sujeito é causa adequada, tem a ideia verdadeira daquilo que seu conatus necessita para se aumentar.
      Não vejo tanta distinção entre ambas.

      Espero que respondi

      Abs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: