Pensamentos em Palavras

Só mais um blog na internet…

Devir e Esquecimento

Posted by Myrna em 03/04/2010

 

A amargura que o dia prelude,

Tão concreta quanto o vasto carbono,

Mina minha fome, suspende meu sono,

Pois cada vil dia, ao passado alude.

 

Como esquecer o que ´inda não pude?

Onde guardar-me do jugo do assomo?

Quando arderá o meu grito, já mono,

Cravado fundo, num frio ataúde?

 

Quanto tempo cabe em um só minuto?

Quando minha pele toca este horto,

E quando encaro este verme arguto?

 

E no mar de pranto que crio sem porto,

Ergo um vestígio de um amor bruto,

Deito uma sombra de um sonho morto.

 

Myrna R.R.P.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: