Pensamentos em Palavras

Só mais um blog na internet…

Arquivo por Autor

Para longe

Posted by Daniel Baseggio em 16/10/2011

Realizado na hora em que tudo terminou
Eu conheço essa dor
Como a lebre que foge de seu predador
Corro para longe do seu calor

Deixou a caixa de pandora aberta outra vez
Eu conheço essa dor
Você sempre estava tão longe
Aí subi num céu que não existe, que Deus nenhum fez
Longe do seu calor

Talvez o melhor seja sobreviver
Mesmo conhecendo essa dor
Meus olhos devem guiar para bem longe daqui
Longe de seu calor

Mais alto que eu possa subir
Sem crise e sem caminho para seguir
Fujo dessa dor (dentro de seus olhos)
Parado vou sucumbir (nas mentiras de suas palavras)
Voar longe do seu calor

Anúncios

Posted in Poesias | Com as etiquetas : , | 3 Comments »

pensamentos pós meia noite – parte II

Posted by Daniel Baseggio em 17/09/2011

Não saber do amanha é pensar que ele será diferente do hoje!!!

Posted in Outros Pensamentos | Leave a Comment »

Um pensamento pós meia noite!!!!

Posted by Daniel Baseggio em 17/09/2011

Basta um ponto de pressã sobre aquilo que se constroí constantemente
para chocar toda uma estrutura sólida.
Uma onde de choque que leva tudo conquistado para a parede…
O melhor será se habituar nesse meio, enquanto perdure o próprio espanto;
mas, o melhor está por vir.

Enquanto eu mesmo me parto, pensando coisas, solitário.
Eu sei que no decorrer da madrugada uma risada será ouvida;
você se sentirá em casa novamente.
Assim que perdoar seu lado de criança, que só tende a conhecer.

Detono comigo mesmo, pode ser até uma rebeldia.
Não acredito, nem lembro do ocorrido…
Prefiro me ausentar no silencio em que já estou,
do que tentar reparar aqueles dias…

Não se muda o que já é, aquilo que se manifesta no seu ser é!!!!!
Sem remorso, sem gratidã.
É a  realidade!

Posted in Outros Pensamentos | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Um novo lar

Posted by Daniel Baseggio em 13/07/2011

Quando os sonhos encontram um novo abrigo,
longe da perturbação e da inquietação
Para trás das colinas frias onde o ar é mais puro
um paraíso perdido que o sol toca o chão.

De inicio ouvia só sua respiração
no fim da noite soube que tudo era verdade
E com um olhar o tempo parou
A lama secou deixando tudo como está

O silêncio da madrugada é quebrado novamente
As luzes do seu quarto são meu guia para te encontrar
A promessa não foi quebrada, siga em frente
O paraíso do nada lhe aguarda.

Como um pescador cheio de esperanças esperando a maré
Aguardo impaciente pelo ônibus que lhe trará
Esperando salvar o resto da sanidade perdida
Antes de partir para meu lar
onde apenas os fortes de alma estão aptos à pisar
Me acorde quando chegar

Posted in Escritos, Poesias | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

reflexões – parte 01

Posted by Daniel Baseggio em 26/06/2011

Muito do que você transparece é o que realmente você é; mesmo se você tenta ludibriar sua própria aparência saiba que, mesmo tentando, só engana a si mesmo..

Não tente mudar o mundo, mude primeiro a forma de como você se vê….

Posted in Filosofia, Outros Pensamentos | Com as etiquetas : | 2 Comments »

Qualquer fim, qualquer lar

Posted by Daniel Baseggio em 23/06/2011

Haviam tantas palavras bonitas
agora elas não encontram moradia
Um paraíso contínuo e longe de tudo
é lá que tantos verbos encontra desfeixo

Poderei virar a página e escrever uma canção
ou contiunuarei vagando de coração à coração
Sem medidas ou meios
Apenas vontade nos olhos

Vontade de ser livre, ou medo de tentar?
Desejos inconstantes
ou impulsividade delirante?
Qual seu demônio?

Magina, nem penso em estar
apenas aproveito o tempo de amar
Só por um instante, um verbo, um lar
Algum outro lugar para se esconder, para morar.

Posted in Outros Pensamentos, Poesias | Com as etiquetas : , , | 3 Comments »

Novo momento

Posted by Daniel Baseggio em 06/03/2011

Incidentes e momentos
outro apelo do minuncioso tempo,
que se apega ao desejo e a esperança
faz do homem maduro uma simples criança
que se apega ao sonhar.

Pensar e penetrar
outra solidão enfatizada por lembrança
outra estação de frio e insegurança
Uma filosofia barata para passar o tempo.

Marcas e depredações
daquilo que um dia sorriu,
que vê e sentes noites a fio
e não se importa mais com o amanhecer.

Se há um outro dia,
então sei que não há alegria
nem magia que propaga satisfação
senão por via de minha intuição.

Posted in Escritos, Outros Pensamentos, Poesias | 6 Comments »

é o último

Posted by Daniel Baseggio em 21/11/2010

 A última música começa,
vêm cavalgando em suas ondas furiosas
deixando para tráz rastros e cascalhos
perdida em uma consoânte atônita

 Uma última palavra, um último adeus
uma nova chance para se aventurar na tormenta
montar na próxima onda do mar
e assim a árvore começa a enxergar

 Como poder olhar em seus olhos?
 Como fixar meu cérebro em não viajar?
 Como voltar pelo mesmo caminhar?
 
 Olhe, veja o que eu quero lhe mostrar:
sinta o meu jeito de falar da vida…
ela está perdida assim como a última lembrança,
que destruída e em ruína as esperanças.

 E enquanto rola a última ceia, a última música viaja;
e na sua última palavra, desgraçada, invalidou meu dia;
o último adeus deixou aquela velha e última lembrança:
 – que o dia da última injúria já passou – falou o último homem livre!

Posted in Outros Pensamentos, Poesias | Com as etiquetas : | 1 Comment »

Harbert Marcuse – Eros e Civilização

Posted by Daniel Baseggio em 03/11/2010

 Prefácio Político 1966

No Prefácio Político de 1966, Marcuse nos apresenta como objetivo o de aprender a utilizar os meios de comunicações das Instituições para moldar o mundo sem restrições aos Instintos Vitais de seus indivíduos. As pessoas acham que suprem suas carências no sistema de dominação que se perpetua; a própria tecnologia que deveria tornar a sociedade mais amena em sua luta pela existência, reprime o indivíduo transformando o seu meio, faz parecer que as diferenças sumiam graças a aparente satisfação de carências criadas por autoridades que não justificam seus fins – satisfazem a energia sexual e agressiva de seus súditos.

Aos que nascem dentro deste sistema de instituições que reprimem de um lado e procuram satisfazer do outro, pelo consumismo, tem que se acostumar aos requisitos desta realidade. A repressão instintiva reproduz este sistema de consumo, onde a atividade libidinal é voltada para uma satisfação imediata; as Instituições direcionam as considerações libidinais de seus indivíduos, e “podem ativar e satisfazer a agressividade na dimensão profunda do inconsciente”. O povo deveria se voltar contra, pois é manipulado pela repressão, possuem uma liberdade pressuposta em sua ignorância e sua própria impotência.

Um exemplo demonstrado nos anos 60 é a pressuposta liberdade sexual; de um lado havia a liberdade sexual – com os hippies e homossexuais – de outro o Vietnã e uma ilusão de produtividade; a mesma consideração pode ser feita pela liberdade sexual na época dos nazistas – havia-se uma aparente liberdade da sexualidade e a agressividade dos atos antihumanitários. Marcuse afirma que esta liberdade transforma a Terra num inferno; enquanto uma parte da civilização cresce, a parte menos afluente se torna passível de eliminação. Tais são eliminadas a que preço?

Os crimes contra a humanidade são feitos em nome de uma “liberdade”. Depois da escravidão fundou-se uma espécie de liberdade econômica em conjunto com a servidão voluntária ao trabalho; a servidão do homem tornou-se algo agradável, passou a se estabelecer uma reprodução da produtividade de repressão. Essa união de liberdade e repressão tornou-se “natural” para a civilização; há uma destruição daquilo que é interno e individual em prol de uma prosperidade como produto de consumo.

Uma inversão do rumo deste progresso está na libertação das necessidades instintivas do Eros “associal”. Com um novo ponto de vista há como evitar a continuidade deste Estado de satisfação aparente, modificando aquilo que causa repressão. A proposta de um novo progresso está na ativação das necessidades orgânicas do homem. No entanto, há uma espécie de utopia de liberdade que aparece sendo remota dentro de nosso contexto; o conflito é contido quando a massa participa dos benefícios que as Instituições promovem; até mesmo a oposição é, de certo modo, “contida”. A revolta dos países atrasados encontra sua realização frente aos países adiantados, acaba gerando uma revolta e uma repressão ao estrangeiro.

A revolta contra a própria repressão encontra seu objetivo na revolta do corpo como máquina; a máquina política, cultural e educacional são objetos da revolta por moldarem os gostos e reprimirem os instintos. Com a falsa impressão de desenvolvimento, e o surgimento da “agressão” dos mais fortes aos mais fracos, a capacidade de matar atinge grandes proporções e incita a uma sociedade de guerra – onde seus cidadãos não notam, mas suas vitimas percebem. A revolta das nações atrasadas irá tentar proporcionar a satisfação das necessidades vitais de seus indivíduos. As nações superdesenvolvidas, porém, se valem de condições ardilosas para perpetuar suas subordinações.

A Revolução que Marcuse cita deverá conter uma inversão da tendência de subordinação dos mais fracos aos mais fortes; além da rejeição à produtividade, poderá significar um estágio superior do desenvolvimento humano. Os Instintos Vitais serão responsáveis pela transformação da natureza.

O Estado beligerante aniquila os mais atrasados, são constituídos por sociedades mais ricas com interesses particulares e que se confrontam; utilizam da tecnologia como forma de repressão; a “agressão” provém da repressão dos instintos, pode gerar uma rebeldia social e uma revolta instintiva. Nesse estado a energia do corpo se volta para uma revolta contra aquele que reprime; a existência dos rebeldes com sua necessidade de libertação e contradição com as sociedades superdesenvolvidas se tornam algo plausível e admissível. Além disso, o papel do herói é glorificado por tal sociedade, cada vez mais “capacita” soldados em uma guerra fútil; para eles, o sacrifício do herói deve  ser imortalizado.

Não há progresso seguro com a ciência e o dinheiro; a agressão desta sociedade pode voltar-se contra o agressor, pois a primeira agressão incita uma cadeia de outras, tanto para aquele que agride como para aquele que é agredido. O Eros desta civilização dá comodidade apenas para aqueles que se submetes a repressão, perpetua a agressividade no sentido da agressão.

Em defesa da vida, Marcuse faz seu protesto contra as guerras criticando o recrutamento, a perpetuação pelos direitos civis e a negação da necessidade de marcas de grifes consumistas. Mas, como unir as esferas eróticas com as políticas? A critica deve transcender os protestos em prol de liberdade sexual (cartazes como: “MAKE LOVE, NOT WAR”): essa libertação esconde uma aparente satisfação, como ocorreu nos anos 60 em meio à guerra do Vietnã; deverá transcender também ao capitalismo sindicalizado, onde os trabalhadores mantêm e conservam o sistema de consumo, defendidos da estrutura social que mantém. Pode-se afirmar, com o caráter duvidoso do futuro, que as pessoas preferem aquilo que já acontece; a ordem estabelecida pelas instituições é forte e eficiente para justificar seus fins.

O controle de massa é efetivado pelo trabalho em tempo integral; o progresso técnico conserva a sociedade já estabelecida, faz suprimir as necessidades a partir do trabalho, a sociedade passa a ser edificada pelo trabalho. A necessidade social passa a se declinar para a mão de obra produtiva. Não há mais fonte de prazer no trabalho; o trabalhador passa a ser improdutivo em sua própria satisfação instintiva. Contra isto a criação de ocupações sem a repressão do trabalho deverá transcender a economia do mercado. O Governo sempre se prepara para as revoltas, organizando os desejos e anseios da população, administram a satisfação da comunidade.

A manifestação de Eros (tomado como prazer e satisfação) não é observada em meio ao sistema repressivo que as Instituições impõem; as finalidades instintivas são satisfeitas dentro do quadro comercial do consumismo. As pessoas dentro deste sistema negam seus instintos de Vida em sua manifestação erótica, a influência lucrativa reprime os instintos. Por um lado, o desenvolvimento econômico valida a ideia da abolição do trabalho – “vida como fim em si mesma” -, por outro lado, enquanto Inimigo interno e externo o desenvolvimento econômico é força propulsora para o “status quo”. O conflito não se dará dentro da esfera econômica, a esfera bélica e militar que protege também destrói. O sistema capitalista se efetiva sob crises econômicas fundamentadas em políticas arrasadoras.

A luta por Eros é uma luta política que se manifesta contra o trabalhismo, contra a mão de obra sindicalizada e do processo material. Trata-se de uma luta em prol dos Instintos de Vida, contra a repressão e contra a produtividade.

Posted in Filosofia | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

ensaio -01

Posted by Daniel Baseggio em 17/10/2010

 Corriqueiramente acontece o seguinte: as impressões que me vêm devido à casualidade do presente tentam transportar meus pensamentos, modificando a intensidade das paixõe que me assolam; porém, mantenho firme minha posição, uma vez calmo e sereno os pensamentos não serão abalados e postos em declínio. A serenidade deve se manifestar tornando-se um hábito de bem conduzir ao encontro das paixões, não tomando suas representações. Trata-se de repelir-se contra o mundo.

Posted in Escritos, Outros Pensamentos | Com as etiquetas : | 3 Comments »